História da Casa das Formigas

História

Compartilhe

História - Casa das Formigas

História da Casa das Formigas Brasil

A Casa das Formigas Brasil surgiu, em 16 de fevereiro de 2017, da sensibilidade da 1ª IPI de Londrina a continuar apoiando a Casa das Formigas em Moçambique, desta vez de uma maneira mais integral por conta do falecimento de sua fundadora, a missionária da igreja Delci Esteves dos Santos. Entendemos que Deus estava convocando a Igreja a dar apoio administrativo e financeiro, para que as 300 crianças atendidas ali continuassem recebendo o suficiente, e assim prosseguissem sonhando com uma vida melhor. Da mesma forma, esse apoio objetiva proporcionar que outras crianças de Moçambique possam ter a mesma oportunidade no futuro, seguindo a exortação à obediência de defender “a causa do órfão e da viúva e amar o estrangeiro, provendo-lhe alimento e vestimenta” (Deuteronômio 10:18). Além disso, está escrito: “Fazei justiça ao fraco e ao órfão, procedei retamente para com o aflito e o desamparado. Socorrei o fraco e o necessitado, tirai-os das mãos dos ímpios” (Salmos 82:3-4).

História da Casa das Formigas em Moçambique

Delci Esteves dos Santos, missionária da Missão Antioquia e da 1ª Igreja Presbiteriana Independente de Londrina (PR), chegou a Moçambique em 12 de junho de 1989, quando o país estava em guerra. Primeiramente, foi enviada para Moçambique com o objetivo de iniciar uma Escola Bíblica Dominical para adultos. Por algum tempo, foi esse o trabalho que ela desenvolveu em igrejas.

Com a ajuda de irmãos, principalmente de Alfredo Banzima, ela iniciou uma Escola Bíblica com crianças no bairro Mussumbuluku. A princípio, eram 30 meninos e meninas que se reuniam aos sábados de manhã debaixo de uma árvore. Eles ouviam a Palavra de Deus e recebiam pão e leite. Até o dia que se deparou com uma triste cena: andava em Maputo e uma criança, entre muitas que perambulavam pelas ruas, dormia na calçada. Delci subiu a ladeira com lágrimas nos olhos e um sentimento no coração despertado por Deus: fazer algo por aquelas crianças, na sua maioria, vítimas da guerra. Com o dinheiro que chegava por mês para o seu sustento, parecia difícil. No entanto, Delci decidiu que “seria apenas uma gota d’água em um oceano de necessidades, mas seria uma gota d’água”.

Quando Deus tem um plano, nada é impossível! O trabalho foi avançando até o dia em que Delci ouviu a doce voz do Espírito Santo: “Quero que você levante um orfanato e vou capacitá-la para isso”. Vendo as pequenas crianças chegando para serem assistidas, disse: “Parecem formigas”. Ao ler a Bíblia Sagrada em Provérbios 30:25, “as formigas, povo sem força, todavia, no verão preparam sua comida”, Delci compreendeu então que para aquele povo ela havia sido chamada.

Em 21 de fevereiro de 1991, o registro do terreno com o nome do projeto da Casa das Formigas em Moçambique (Associação Casa das Formigas – Centro de Apoio à Criança) foi publicado no Boletim da República e, em 1995, mudou-se para o local onde está até hoje. O número de crianças atendidas crescia dia a dia, chegando a 500 crianças, e, além das crianças na Casa das Formigas, Delci abrigava em sua própria casa 14 crianças, das quais algumas haviam perdido o vínculo familiar e outras foram acolhidas por motivos diferentes. Assim, surgiu a Casa Lar da Casa das Formigas.

Atualmente, a Casa das Formigas atende aproximadamente 300 crianças e adolescentes de 8 a 18 anos, sendo que 40 destas crianças vivem na Casa Lar. Elas recebem cuidados médicos, são acompanhadas em sua vida escolar, na área espiritual, recebem alimentação e participam de oficinas, entre elas: costura, bordado, crochê, informática, sapataria, tapeçaria. Como muitas crianças são órfãs ou estão em risco social e chegam ali sem esperança, o papel da Casa das Formigas é encaminhá-las profissional, social e espiritualmente, para que tenham um futuro melhor.

A liderança da Casa das Formigas em Moçambique é formada pelos primeiros frutos do trabalho realizado pela Delci: o presidente da Casa das Formigas, o Pr. Alfredo Banzima, e uma equipe de jovens obreiros, que dão continuidade a esse lindo trabalho.