Casa das Formigas Brasil

Notícias

Compartilhe
20/03/2018

A alimentação na Casa das Formigas em Moçambique

A alimentação na Casa das Formigas em Moçambique

São 20 sacos de 50 kg de arroz, 4 sacos de 50 kg de feijão, 24 sacos de 12,5 kg de farinha de milho branco, 30 caixas de massa espaguete, 40 kg de linguiça, 50 kg de carne e 15 kg de frango. Estes são alguns dos números sobre os alimentos que devem ser comprados todo mês para a feitura de 500 refeições/dia na Casa das Formigas em Maputo – Moçambique. As carnes foram acrescentadas ao cardápio após o mês de maio de 2017, para garantir a qualidade nutricional das refeições de nossas crianças. Os produtos alimentícios e de limpeza representam uma despesa fixa de 3 mil dólares ao mês.

           

Diz-se que uma pessoa sofre de insegurança alimentar se não sabe quando vai ter a próxima refeição nem como a vai obter. A maioria da população moçambicana se alimenta uma vez por dia, ao entardecer. Isso afeta o aproveitamento escolar e a disposição dos trabalhadores. Fogão e geladeira são artigos de luxo, geralmente os   alimentos são cozidos em fogueiras no chão. O salário em média é de 100 dólares por mês.

 A expressão “apertar o cinto” remete a um cidadão que precisa furar mais um buraco no cinto, de modo a ajustá-lo ao tamanho da sua cintura, que está diminuindo.

 Feitas as contas, 25% de 28 milhões de habitantes no país (estimativa do Programa Mundial de Alimentação de   Moçambique), ou seja, sete milhões de moçambicanos vivem com a fome à espreita (dados de 2017).

O desafio tem nomes, idades e consequências, como aponta a UNICEF: mais de duas de entre cinco crianças menores de cinco anos que vivem em Moçambique sofrem de desnutrição crônica. A desnutrição não é apenas um simples resultado da ingestão de poucos alimentos, mas de uma combinação de fatores: insuficiência de proteínas, energia e micronutrientes, infecções ou doenças frequentes, maus cuidados e más práticas alimentares, serviços de saúde inadequados e água e saneamento impróprios. A malnutrição durante a infância tem um efeito duradouro nas hipóteses de sobrevivência e desenvolvimento da criança. Em Moçambique, cerca de 45% das mortes de crianças menores de cinco anos estão associadas à malnutrição. Uma criança malnutrida também apresenta menores probabilidades de um bom aproveitamento escolar e é mais suscetível de contrair infecções e de sofrer de doenças crônicas na idade adulta. Por outro lado, estima-se que as crianças bem nutridas contribuem para a riqueza por promoverem o PIB nacional em até 11%. A malnutrição também tem um impacto na sociedade em geral e no crescimento econômico do país”.

Agradecemos a todos os nossos padrinhos e madrinhas, aos nossos doadores e doadoras, pois as crianças da Casa das Formigas em Moçambique estão crescendo e se desenvolvendo com qualidade nutricional e podem afrouxar o cinto.  Se você deseja contribuir acesse nossa página para doação ou apadrinhamento.

Fonte de pesquisa: http://www.unicef.org.mz/nosso-trabalho/o-trabalho-do-unicef/nutricao/

< Veja outras notícias